Literatura Moçambicana

Carta Aberta à Paz 

Querida Paz,
desculpa-me a maçada, é doloroso o estado que me leva a escrever-te,  a maka, Irmã, são dois salafrários de cabeça no ar arruinando uma bandeira linda de não acabar.

Ajuda-me, Paz, por favor, a puxar, a esticar até doerem as orelhas desses dois que não trabalham e não deixam trabalhar ferindo o meu orgulho.

Mana, como tanto se evoca a estima própria e tanto mal se faz aos filhos do coração estimado?

São só dois pequenos indivíduos, Paz, insectos comedores de pólvora cortaram as águas do rio, fecharam a rua de um lado e de outro
agora não posso levantar a capulana que me dá de comer.

Peço-te, cospe-lhes na cara, diz aos tipos para pararem de me fornicar a verdade de um não é mais verdade que a verdade do outro.

Paz, telefona lá a esses dois pré humanos, uma ligação tua, Irmã, abana as minhocas nesses minúsculos cérebros, expulsa as falsas cedências e impõe as verdadeiras condições:

1. Não manipulem a minha convicção

2. Não falem em liberdade no vácuo

3. Chega de vai que não vai

3.1. Não rocem a espinha um no outro

4. Não matem com o vosso metal o meu arco-íris

Paz, dá-me uma mão, pesada e limpa, a ver se os dois chupa-sangue fumam no teu cachimbo.

Grita a essa porta fechada na tua cara

Irresponsáveis! Sanguinários! Ladrões!

Não pensem que podem decidir se vivo ou se morro no ribombar dos canhões.

A ti, Mana, estas palavras chegarão audíveis, e a esses dois? Esquece!
Os patifes despedaçam a minha alma e o mote sei-o, Querida, têm mais egoísmo que juízo prepotência que candura mesquinhez que honestidade.
Sonhei-te, Paz, ajuda-me a puxar, a esticar, a esticar até rebentar essa impenetrável arrogância desses dois casmurros que nasceram tão perto mas pensam tão distante.

Te espero, Irmã, fumiga os sacanas com a tua kryptonite,  aponta-lhes a cruz, mete-lhes a nota, atira-lhes a pomba, ordena-lhes: Reponham a nossa imagem!

Não voltem a borrar a nossa foto de família, umbiguistas!

Ensina a esses dois exterminadores, Paz, no saber sofrer, igual ao animal engordado para ser degolado, vive o bom político.

A cosmética não esconde a matança, só homens notáveis tomam decisões notáveis tornando os momentos notáveis.

Pergunta-lhes, Sister, olho no olho, “Quantos mais temos de cair até que o sintam em vossas almofadas?”

Paz, despacha-te, o tanque da tolerância furou-se, já escorre luto denso por aqui!

Jorge de Oliveira
(Escritor moçambicano)
——–

Ps: Jorge Oliveira, escritor Moçambicano, advogado, foi Secretario Geral da Associação de Escritores Moçambicanos (AEMO)/

Standard

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s