Sem categoria

PROJECTO SUSTENTA – um sinal de que Moçambique 🇲🇿 tem tudo para dar certo

PROJECTO SUSTENTA – um sinal de que Moçambique 🇲🇿 tem tudo para dar certo no sector da agricultura.

O Presidente Filipe Nyusi, candidato da FRELIMO as eleições de 15 de Outubro, já assuniu o compromisso de garantir o fomento e assistência à produção local. E a Frelimo Moçambique no seu Manifesto eleitoral dá um grande destaque à agricultura e compromete-se a promover o desenvolvimento de um sector agrário dinamico, competitivo e sustentável.

Isso passa pela massificação da mecanização e do uso da tracção animal, pela disponibilização de sementes melhoradas, pela implementação de tecnologias modernas, por um maior incentivo aos produtores comerciais e familiares, e pela diversificação de culturas, dentre outros.

Por outro lado, a FRELIMO vai promover o acesso ao crédito agricola e estimular gradualmente a transformação dos agricultores familiares em agricultorws comerciais. A criação de um banco de desenvolvimento faz parte deste grande desafio de impulsionar a base da economia de Moçambique.

A introdução do Projecto SUSTENTA no distrito de Malema, na provincia de Nampula incrementou a produção agricola de 350 mil para cerca de 800 mil toneladas, sinal de que vale a pena continuar a apostar nesta iniciativa do Governo da FRELIMO.

VOTA FRELIMO

VOTA FILIPE NYUSI

#EcontigoQueDaCerto

Basilio Muhate

Standard
Eleicoes 2019, Sem categoria

INCENTIVOS AO PRIMEIRO EMPREGO

Hoje em Quelimane e Nicoadala, na Zambézia, o Presidente Filipe Nyusi voltou a referir-se a prioridade do EMPREGO e TRABALHO, em particular os incentivos ao primeiro emprego, na sua agenda de governação para o próximo quinquénio caso vença as eleições de 15 de Outubro próximo.

As empresas e o sector privado jogarão um papel chave, por isso o compromisso da FRELIMO é que haverá incentivos às empresas que promovam o primeiro emprego, em particular dos jovens. Os sectores como agro-processamento, silvicultura, manufactura, telecomunicações, transporte, turismo, energia, agua, bens de consumo, produtos farmacêuticos e serviços financeiros assim como o estimulo da criação de um Fundo Soberano, constituem fontes principais de geração de emprego na economia de Moçambique 🇲🇿

Os recursos e capacidades produtivas existentes no País, explorados de forma adequada e sustentável, podem constituir uma forte alavanca para o desenvolvimento da nossa economia.

O debate eleitoral sobre o emprego está aberto e o Presidente Filipe Nyusi tem estado a apresentar a sua visão sobre esta problemática, não basta procurar erros, é preciso apreaentar soluções e havendo, trazer ao debate uma visão alternativa.

#VotaFrelimo #VotaNyusi #EcontigoQueDaCerto

Standard
Sem categoria

Emprego e Trabalho são prioridades da FRELIMO e de Filipe Nyusi para o Quinquénio 2020-2024

Nos últimos 5 anos foram criados 1.415.141 postos de trabalho em Moçambique, com maior enfoque para os jovens, pelos sectores público e privado, e através das iniciativas do Governo liderado pelo Presidente Filipe Nyusi

Assegurar e garantir a inclusão dos jovens no processo de crescimento económico do País é uma marca registada da FRELIMO, um dos desafios do nosso desenvolvimento.

É por isso que o Manifesto Eleitoral da FRELIMO para as Eleições de 2019 enfatiza a importancia do aumento do Investimento para o rápido crescimento económico, aumento da produção e geração de emprego para os Moçambicanos, em particular para os Jovens.

Basilio Muhate

Standard
Processo de Paz em Moçambique, Sem categoria

Presidente da Republica de Moçambique Filipe Nyusi e Presidente da Renamo Ossufo Momade reunem em Chimoio

COMUNICADO CONJUNTO

O Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi e o Presidente da Renamo, Ossufo Momade, reuniram-se, a 2 de Junho de 2019, na Cidade de Chimoio, Província de Manica.

A reunião tinha como objectivo avaliar o grau de execução das decisões resultantes das reuniões anteriores, realizadas a 27 de Fevereiro e 7 de Março de 2019, na Cidade de Maputo.

A reunião de Chimoio definiu o roteiro para os próximos dias, no contexto do diálogo com vista ao alcance da paz definitiva, tendo em conta o limitado tempo que nos separa das eleições de 15 de Outubro próximo.

O Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi e o Presidente da RENAMO, Ossufo Momade,constataram haver condições para o desfecho do processo de DDR, considerando a evolução do processo de descentralização e os passos dados pela Comissão de Assuntos Militares, assessorada pelos Peritos Internacionais.

Durante o encontro, ambas as partes foram unânimes que chegou o momento de cessação definitiva de hostilidades militares e,consequentemente, a assinatura do Acordo de Paz e o início imediato da reintegração, na sociedade, dos guerrilheiros da RENAMO.

Foi reajustado o cronograma, definindo prazos para o início do DDR no mês de Junho, o regresso e a reintegração dos guerrilheiros da RENAMO para o mês de Julho, assim como o período para a assinatura do Acordo de Cessação Definitiva das Hostilidades Militares, precedida do DDR e a assinatura do Acordo de Paz Definitiva, atéprincípios de Agosto de 2019, sem prejuízo da continuidade do diálogo, como medida de reforço de confiança entre as Partes.

O Presidente da República e o Presidente da RENAMO, acordaram a iniciar a preparação da Conferência Internacional para a mobilização de fundos para a implementação da Reintegração.

O encontro, mais uma vez, decorreu num ambiente fraternal e de abertura, focalizado para o alcance das mais nobres aspirações dos moçambicanos de viver num país em paz, estávele de justiça social, onde todos os moçambicanos têm oportunidades iguais.

O Presidente da República, Presidente Filipe Nyusi e o Presidente da RENAMO, Ossufo Momade,exortam a todos os moçambicanos e a comunidade internacional a observar a calma, pois os passos dados e o seu ritmo, só podem justificar o interesse colectivo prevalecente que é de alcançar uma paz definitiva e duradoura, pelo que se exige o apoio de todos.

Cidade de Chimoio, aos 2 de Junho de 2019

Standard
Sem categoria

AS CANÇÕES DA FRELIMO, REUNIDAS

Matéria de interesse Cultural sobre Moçambique,. sobre o Partido FRELIMO e sobre a história de Moçambique.

THE DELAGOA BAY REVIEW

Eu não acredito que alguém se deu ao trabalho de reunir aquelas canções todas que a Frelimo dos tempos de partido único, de tudo e de todos,  achava o máximo, mas aqui vai (segue a seguir vídeo com as canções):

0:00 Viva, Viva a FRELIMO (Long Live, Long Live FRELIMO)
0:34 A Internacional (The Internationale)
1:20 Hino da FRELIMO (Anthem of FRELIMO)
2:54 Unidade (Unity)
4:56 Avante, Povos Oprimidos (Forward, Oppressed Peoples)
8:13 Hino da Mulher Moçambicana (Himn of Mozambican Women)
10:56 Exaltemos Mondlane (We Exalt Mondlane)
13:16 Comemoremos o 25 de Setembro (We Commemorate the 25th of September)
16:04 Africa em Luta (Africa in Struggle)
19:38 Vinte e Cinco de Junho, 1962 (Twenty-Fifth of June, 1962)
21:54 Que Belo es Tu Moçambique (How Beautiful you are Mozambique)
25:05 Moçambique Ja Indepêndente (Mozambique is Independent)
26:33 Liberdade a Alegria (Freedom and Joy)
28:30 Somos Construtores do Moçambique Novo (We Are…

View original post 270 more words

Standard
Basilio Muhate, Inteligencia dos Moçambicanos, Moçambique, Mulher Moçambicana, Sem categoria

A Psicologia do eu e do outro: reflexões rumo à operacionalização epistémica

Maria Passades Pereira*

O euismo, o outrismo e o nossismos são formas (ins)conscientes de ideologia e de comportamento de educação, de socialização, de culturação e, quiçá, de politização. A Narrativa Moçambicana precisa e deve ser indagada de forma cristalina por várias áreas do saber, não para encontrar a resposta ou fórmula mágica, mas, para juntas, estas áreas do saber terem ferramentas e instrumentos analíticos para ofertar a sociedade para um melhor entendimento desta desta bela narrativa com nome masculino: Moçambique.

Qual seria o contributo da Psicologia (Social) para o ethos Moçambique como um campo fértil, despido, cru, místico, completo, incompreensível, curioso e por lapidar? Ou por outra, esta elasticidade composta por uma (des)harmonia dos contrários é aqui pensada não de forma preconceituosa, mas sim, na sua relação entre o euismo e outrismo onde ambas levariam ao nossismo. Pois, para uns, a Narrativa Actual Moçambicana pode ser um campo de aberturas analíticas e, para outros, pode ser um campo fechado, linear e sem esperança, quando estes dois não comunicam, não procuram uma forma de entendimento, entram para um status quo nocivo que levaria a pontes quebradas, onde de um lado tens o eu e do outro lado bem distante tens o outro que pensa de forma diferente e, consequentemente, é visto como o eterno outro a abater (no sentido de: colocar à margem da sociedade e da cidadania), o que seria o nossismos.

Continue reading

Standard
Frelimo, Samora Machel, Sem categoria

Lista dos 53 cabeças de lista da FRELIMO para as eleições Autárquicas de 10 de Outubro de 2018

*MAPUTO CIDADE*

1. Eneas da Conceição Comiche

*PROVÍNCIA DE MAPUTO*

2. Matola – Calisto Moisés Cossa

3. Boane – Jacinto Loureiro

4. Manhiça – Luis Munguambe

5. Namaacha – Manuel Munguambe

*GAZA*

6. Xai-Xai – Emídio Xavier

7. Chokwe – Lídia Cossa

8. Mandlakaze – Maria Helena Langa

9. Bilene – Mufundisse Chilengue

10. Chibuto – Henriques Albino Machava

11. Macia – Ramalho Mussagy

*INHAMBANE*

12. Municipio de Inhambane – Benedito Guimino

13. Maxixe – Fernando Bambo a

14. Vilankulos – William Thuzine

15. Massinga – Medy Geremias

16. Quissico – Abílio Chiponde

*SOFALA*

17. Beira – Augusta Maita

18. Dondo – Manuel Chaparica

19. Nhamatanda – António Charumar

20. Gorongosa – Sebete Elicha Morais

21. Marromeu – Vitória Cristina Artur

*MANICA*

22. Chimoio – João Ferreira

23. Manica – Bernardo Patrício

24. Sussundenga – Lidia Luis

25. Catandica – Domingos Cassuada Tuboi

26. Gondola – Arlindo Cesário Ngozo

*TETE*

27. Cidade de Tete – César de Carvalho

28. Moatize – Carlos Portimão

29. Ulongue – Evaristo Fidelis

30. Nhamayabue – Alberto Salifu Amade

*ZAMBÉZIA*

31. Quelimane – Carlos Carneiro

32. Mocuba – Geraldo Sotomane

33. Milange – Felisberto Mvua

34. Gurue – Aniceto Fernando

35. Alto Molocue – Muananvuca

36. Maganja da Costa – Virgilio Dinheiro

*NAMPULA*

37. Cidade de Nampula – Amisse Paulo Cololo

38. Nacala – Rui Chong Saw

39. Monapo – Abdul Limande

40. Malema – Ângelo Fonseca

41. Ilha de Moçambique – Saide Abdul Remane

42. Ribaue – Valdemiro Abacar

43. Angoche – Bernado Elias

*CABO DELGADO*

44. Pemba – Florete Simba Motarua

45. Montepuez – Cecilio Ani Chabane

46. Chiure – Casimiro Portugal Guarda

47. Mueda – Manuel Alavalave

48. Micímboa da Praia – Cheia Momba

*NIASSA*

49. Lichinga – Luis Jumo

50. Marrupa – Alfredo Akimo

51. Metangula – Sara Mustafa

52. Cuamba – Alberto Assumane

53. Mandimba – Joao Stande

Standard